terça-feira, abril 27, 2010

VÍCIO FRENÉTICO

adorocinema.com

No alto dos seus 67 anos, WERNER HERZOG (O HOMEM URSO) esbanja categoria ao criar películas, sempre com um toque bastante pessoal e introspectivo. Sendo assim, era de se esperar que VÍCIO FRENÉTICO tivesse todas as artimanhas de um bom thriller policial.
Porém o diretor vai além, usando o roteiro de WILLIAM M. FILKENSTEIN para colocar tons cínico dentro dos 121 minutos do longa.

O grande achado por aqui é NICOLAS CAGE, que após trabalhos medíocres como MOTOQUEIRO FANTASMA, PERIGO EM BANGKOK, O SACRIFÍCIO e O VIDENTE, acerta o tom e entrega-nos um personagem coeso, lotado de falhas e com sua índole tão destruída quanto o desastre que assolou Nova Orleans em 2005.
As alucinações de Terence McDonagh, podem por vezes parecer exageradas - talvez HERZOG faça isso propositalmente, mas errou na ‘fórmula’.

Dois pontos fazem o filme degringolar bastante e perder pontos importantes: a interpretação sofrível – outra vez – de EVA MENDES, sem naturalidade e completamente desconectada do resto do elenco e o desfecho desprezível, formulesco e panfletário, quase como um conto de fadas.
Dos coadjuvantes, podemos citar VAL KILMER (FOGO CONTRA FOGO), que apesar do pouco tempo, demonstra agilidade e boa performance.

Com as costas seriamente contundidas, devido um salvamento, McDonagh é promovido a tenente. Começa então, a depender de remédios para amenizar as dores e não demora muito para viciar-se em cocaína – mesmo trabalhando para a polícia.
O tenente é colocado à frente das investigações, para encontrarem os culpados pelo assassinato de uma família senegalesa, mas sua conduta o leva cada vez mais para a beira do abismo, podendo comprometer tudo.

NARC está mais à frente em relação à crueza e realismo, tanto nos diálogos quanto na colocação de câmeras e closes dos atores, porém VÍCIO FRENÉTICO vai muito mais além no sentido de corrupção e chantagem.
Se houvessem aqui, menos excessos, o espectador sairia mais satisfeito – a seqüência do acidente envolvendo um jacaré na estrada é irritante, são minutos preciosos, perdidos pela grandiloqüência de um diretor bom, mas tão frenético, quanto sua obra.

Título Original: Bad Lieutenant: Port of Call New Orleans
Ano Lançamento: 2009 (EUA)
Dir.: Werner Herzog
Elenco: Nicolas Cage , Eva Mendes , Val Kilmer , Fairuza Balk , Jennifer Coolidge

ORÇAMENTO: --

1 comentários:

Júnia L. disse...

COMENTÁRIO QUE ESCREVI PARA POSTAR AINDA ESSA SEMANA NO MEU BLOG SOBRE O FILME:

'Gosto de filmes que abordem a situação de caos que se encontram regiões do sul dos EUA pós-Furação Katrina e “Vício Frenético” enfia o dedo na ferida com força. Muita droga, prostituição, corrupção, descaso das autoridades com a região de predominância negra.
Nicolas Cage está perfeito como nunca ao incorpora um tenente viciado em remédios e drogas pesadas para aliviar as dores decorrente de um acidente de trabalho. Os trejeitos de Cage são espetaculares ele chega a ser caricato e Herzog trabalha o estado físico e mental do “mau tenente” como um conto sobre a desordem social e moral.
O julgamento comportamental de Cage no filme é algo extremamente pessoal, a proposta do diretor exatamente essa. Afinal, existe certo e errado em determinadas situações?
Nota 9- Excelente'

Related Posts with Thumbnails